Mandume. A oralidade e a memória cultural na construção narrativa da identidade negra

Autores

  • Lucianna Furtado Universidade Federal de Minas Gerais

Resumo

Este artigo apresenta uma breve reflexão acerca da produção e consumo do rap como uma forma de cultura complementar à educação formal, articulando a memória cultural e a representatividade para a formação social e para a construção de uma identidade negra positiva. Para isso, o trabalho se apoia na historicidade da violência de representação que marcou a constituição das identidades nacionais latino-americanas e na formação das suas culturas populares por meio da oralidade. O estudo contempla o processo histórico de centralização do conhecimento e sua legitimação pela cidade letrada, a descentralização em curso na sociedade realizada por meio das novas tecnicidades e suas reverberações nos modos de percepção e construção narrativa das identidades. Com o direcionamento proporcionado por este aporte teórico, o artigo analisa o videoclipe “Mandume”, do rapper Emicida, e sua abordagem interseccional na ressignificação da memória cultural de modo a contribuir com uma visão positiva para a construção da identidade coletiva negra.

Downloads

Publicado

2018-07-05

Edição

Seção

Artigos